DESMISTIFICAÇÃO DO USO DE HORMÔNIOS EM FRANGOS

Atualizado: 14 de Nov de 2019


É comum ouvirmos sobre o suposto uso de hormônios na produção de frangos de corte. No entanto, tal informação é totalmente infundada, sem argumentos técnicos-científicos e desrespeitosa com toda a cadeia avícola, ou simplesmente o que chamamos nos dias atuais, “Fake News”. E por qual motivo encontramos nas embalagens de carne de frango os dizeres “Sem Hormônios”? Como se criou o conceito de que frangos de granja se desenvolvem rapidamente devido ao uso de hormônios, imprimir nas embalagens que o produto não contém hormônio passa uma credibilidade maior ao consumidor.


O uso de qualquer substância com a finalidade de estimular o crescimento e a eficiência alimentar em animais é proibido no Brasil pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). De acordo com a Instrução Normativa (IN) nº 17 de 2004 do MAPA, é proibído a administração, por qualquer meio, na alimentação e produção de aves, de substâncias com efeitos tireostáticos, androgênicos, estrogênicos ou gestagênicos, bem como de substâncias ß-agonistas.


E afinal, por qual motivo associam o uso de hormônios com a produção de frangos de corte? É fato que o desenvolvimento corporal do frango de hoje é mais rápido do que o de anos atrás, porém as pessoas não se dão conta que há anos universidades, centros de pesquisas e empresas privadas aprimoram seus conhecimentos nas áreas de melhoramento genético, nutrição, biossegurança, manejo, bem como instalações e ambiência, e com isso, ao longo dos anos, obteve-se uma melhora significativa no sistema de produção de frangos de corte reduzindo drasticamente o período de abate desses animais.


Principais motivos pelos quais o uso de hormônios na produção de frangos de corte não tenha nenhuma fundamentação técnica, científica e econômica:

-Todo hormônio, seja de qual tipo for, necessita de um tempo de latência/incubação para sua atuação e resposta funcional do organismo do animal. Geralmente este tempo é de pelo menos 60 a 90 dias. Nossas aves são abatidas entre 40 a 44 dias de idade. Não há nem mesmo tempo hábil para que tais substâncias produzam qualquer efeito e/ou reação nos frangos durante seu período de vida;

- Hormônios são moléculas de proteína, se forem ingeridos, serão quebrados/digeridos em pequenas moléculas pelo aparelho digestivo dos animais pela ação das enzimas digestivas, por meio do processo de digestão. Ou seja, não há como fornecer via oral (ração) hormônios para as aves;

- A administração hormonal injetável (via mais comum) é totalmente inviável pelos seguintes motivos: 1) ao logo de seu ciclo de produção, cerca de 40 a 44 dias, o setor avícola teria que injetar várias doses de hormônios pois, hormônios atuam por administração de doses pequenas e sucessivas. Se a aplicação de uma dose de hormônio durasse em média 10 segundos, em uma granja com 10.000 aves, seria necessárias mais de 27 horas para aplicar tais produtos em todos os animais. E isso teria que ser repetido todos os dias para se obter efeito.


Diante das razões científicas e econômicas descritas acima, podemos afirmar que não há nenhum produto comercial avícola disponível no mercado mundial com função hormonal para uso em avicultura. Ou seja, carne de frango é saudável, faz bem a saúde, apresenta um baixo custo quando comparada com bovinos e suínos e é totalmente livre de qualquer substância que possua finalidade de estimular o crescimento e a eficiência alimentar desses animais.


Bruno Duarte Alves Fortes

Zootecnista e Doutor em Ciência Animal

Professor do IFGoiano – Campus Iporá

0 visualização
  • Preto Ícone Instagram
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon
Endereço

Av. Oeste, 350 - Parque União,

76200-000 Iporá - GO

observatoriododesenvolvimento@gmail.com